Controle Pragas Urbanas - Controle de Carrapatos Rui News

Controle Pragas Urbanas – Controle de Carrapatos – Hoje, em mais um episódio do pragas
urbanas, iremos falar de um ectoparasita bem conhecido: o carrapato Atualmente são conhecidas 900 espécies
de carrapatos no mundo sendo 70 delas encontradas aqui no Brasil.

Dentre elas,
quatro são consideradas de maior importância na medicina veterinária
afetando diferentes espécies de animais podendo interferir em sua saúde, qualidade
de vida e, portanto, em seu bem-estar Nesse vídeo falaremos especificamente de
uma espécie que vive principalmente em ambientes urbanos: o Rhipicephalus
sanguineos O Rhipicephalus sanguineos é o carrapato mais
encontrado em cães que vivem principalmente em áreas urbanas já que a
espécie, quando introduzida no brasil, não se adaptou as nossas massas devido à
alta umidade.

Portanto essa espécie é encontrada em lugares altos e sem
umidade próximas de onde o cão dorme como em frestas, rodapés, batentes de
porta, atrás de quadros e embaixo de estrados de camas onde fazem seus ninhos. Raramente são encontrados em gatos e em seres humanos E nos cães geralmente
parasitam a cabeça, o pescoço, o dorso as orelhas e os espaços interdigitais. O ciclo de vida dos carrapatos tem quatro fases: ovo, larva, ninfa e adulto, sendo que
no cão podemos ver todas as fases, menos o ovo Logo após a saída da larva do ovo
ela sobe e se alimenta do hospedeiro por alguns dias, para então descer do cão e
realizar a troca de pele para a próxima fase, a ninfa, no
ambiente. Esta sobe novamente no hospedeira e após se alimentar por alguns
dias vai para o ambiente e realiza uma nova troca virando um carrapato adulto. Estes, diferenciados em machos e fêmeas sobem e se alimentam do hospedeiro por
alguns dias, realizam a cópula e a fêmea após se alimentar e ficar ingurgitada,
cai e faz uma única postura de ovos no ambiente Quando então morre. Portando
para realizar todas essas mudas, assim como para ouvipor, o carrapato deve
estar no ambiente. Por isso é mais comum vermos carrapatos no ambiente e não no
animal. Apenas 5 por cento deles se encontram em seu cão o resto está na sua casa! Diferentemente do que muitas pessoas pensam, as áreas verdes dos
parques e praças não oferecem grandes riscos de infestação no animal, uma vez
que esse carrapato especificamente não tolera a umidade alta da área verde. Portanto é mais provável que o seu cão adquira carrapatos de pet shops, hotéis,
clínicas veterinárias, entrando em contato com cães infestados
ou quando seu cão visita qualquer outro lugar que esteja
infestado. Além disso o carrapato pode ir de uma casa a outra, se essas forem
separadas apenas por um muro, à procura de festas para ovipor.
é mas porque o controle do carrapato é Mas por que o controle do carrapato é tão importante? Além de incômodo eles são
responsáveis pela transmissão de algumas doenças conhecidas como doença do
carrapato! Essa espécie especificamente é responsável por duas delas: a babesiose e
a erliquiose A erliquiose é considerada uma das principais doenças de cães em
todo o brasil. Ela é transmitida pela picada do carrapato infectado pela
bactéria e Erlichia canis, causando diminuição de todos os componentes do
sangue, ou seja, diminui a imunidade, aumenta a chance de hemorragias e causa
anemia. já a babesiose é transmitida pela Já a babesiose é transmitida pela picada do carrapato infectado pelo
protozoário Babesia vogeli, causando principalmente uma anemia grave. Como dito anteriormente, noventa e
cinco porcento dos carrapatos encontram-se no ambiente e apenas cinco
porcento parasitando os cães. Por isso, não adianta apenas tratar o animal pois,
após o efeito do carrapaticida no animal passar, os carrapatos do ambiente vão
voltar a parasitar o animal e ele estará novamente infestado. Então, para termos um controle efetivo é necessário associar a utilização de carrapaticidas
nos animais com a detetização do ambiente. Para o controle dos carrapatos
no ambiente recomendo esse três dedetizações de duas em duas semanas com
piretróides, um pesticida, já que os carrapatos são resistentes a produtos de
limpeza. A dedetização deve ser feita principalmente em paredes, tetos e o
local onde o animal dorme, incluindo sua casinha e é necessário que todas as
pessoas e animais sejam retiradas do local por 6 horas
e sempre atentando-se as informações no rótulo do produto. Após esse tempo,
pode-se lavar o chão, apenas o chão da casa, quintal ou canil com água. Se o quintal ou
canil onde os cães vivem fazer divisa direta com uma casa um existam cães com
carrapatos, é altamente recomendado que o vizinho também faça um controle de
semelhante pois este carrapato atravessa um muro, de uma casa para a outra, com muita
facilidade Esse controle deve ser feito em
associação com tratamento nos cães através de coleiras, se não houver contato
do cão com crianças, medicações, sprays ou spot-on carrapaticidas, seguindo as
recomendações dos fabricantes dos produtos. Além disso, é necessário adotar medidas
preventivas, como por exemplo: evitar frequentar pets shops em que não hajam
protocolo contra infestação de carrapatos, trocar a casinha do animal,
caso esta seja de madeira, pois é mais difícil erradicar os carrapatos desse
material, evitar o contato com outros cães e sempre observar seu animal já que,
quanto mais cedo a detecção da presença de carrapatos mais fácil será o
seu controle

Leia Também →  De onde vêm as baratas em apartamentos: Como se livrar delas

Managed by Immediate JFusion