Simbiose e a sua utilização em gestão de pragas : o conceito Rui News

O conceito de indivíduo está sendo repensado, com a noção de que as relações simbióticas estão presentes em todos, ou quase todos, os organismos. Os insetos não são exceção. Falemos de simbiose. O que é simbiose? Vamos relembrar o conceito de forma esquemática e muito simples. Temos um organismo de uma determinada espécie que se junta a um organismo de uma espécie diferente. Surge uma relação duradoura, em que ambos se ajudam fornecendo, por exemplo, proteção em troca de nutrientes. O saldo da relação é positivo para ambos, e estamos lidando com um MUTUALISMO.

Mas agora suponha que um dos organismos deixe de contribuir para o relacionamento continuando a usar o recurso ou serviço que o outro fornece. Ou seja, um se beneficia e o outro não. Mas não beneficiando, a outra espécie não é afetada em grau considerável, ou seja, não é prejudicada ou favorecida significativamente. Trata-se então de COMENSALISMO. No entanto, esta situação pode ser ainda mais unilateral, e uma das espécies será afetada ou mesmo severamente afetada. Do que as relações se chama PARASITISMO. Já percebemos que os três tipos de simbiose não são claramente separáveis ​​e isolados e, na verdade, eles têm uma zona de sobreposição específica ao contexto. Ou seja, a relação simbiótica pode variar entre um comensalismo, um parasitismo ou um mutualismo em um continuum circunstancial. O resultado de uma relação simbiótica é, na verdade, um equilíbrio entre custos e benefícios. A relação do hospedeiro com seus microrganismos não pode ser classificada como exclusivamente benéfica, prejudicial ou mesmo letal. Esse equilíbrio pode e é alterado pelas circunstâncias.

Então, vamos pensar em um inseto potencialmente praga e sua comunidade simbiótica. A comunidade simbiótica tem uma série de vantagens : coexiste no tempo e no espaço , responde às mudanças na densidade do hospedeiro e sua reprodução responde, ou mesmo depende, da reprodução da população da praga. Além disso, existe um certo nível de dependência entre o hospedeiro e o simbionte e, em muitos casos, há uma alta especificidade dessa relação. Além disso, a comunidade simbiótica, por habitar o interior do inseto hospedeiro, é intrinsecamente menos suscetível a variações ambientais externas. Agora, vejamos como podemos classificar os simbiontes mutualistas associados ao inseto hospedeiro? Temos os simbiontes primários, que são obrigatórios para a sobrevivência e reprodução do hospedeiro, estão evolutivamente associados à linhagem do hospedeiro e são (quase sempre) transmitidos verticalmente, ou seja, é passado de pais para filhos. Por outro lado, temos os simbiontes secundários que são opcionais e, embora não essenciais, conferem alguma vantagem adaptativa. Eles podem ser transmitidos tanto vertical quanto horizontalmente e aumentam a sobrevivência ou a capacidade reprodutiva do hospedeiro. Como podemos usar esse conhecimento para gerenciar uma população de pragas de insetos.

Temos a praga alvo e conhecemos sua comunidade simbiótica e pretendemos mudar a natureza de seu relacionamento. Podemos, por exemplo, induzir uma associação do nosso inseto alvo com outro microrganismo simbiótico para alterar características específicas do inseto praga. Podemos, através da engenharia genética, alterar o simbionte para matar o inseto praga ou torná-lo infértil.

Ou podemos tentar controlar a população do inseto-praga visando seu simbionte obrigatório usando simbiocidas, ou seja, compostos que perturbarão o simbionte e sua relação com o hospedeiro. Para definir uma estratégia de sucesso temos sempre que conhecer bem nossos organismos e lembrar que sua interação simbiótica é um continuum e que seu caráter pode ser alterado de acordo com as circunstâncias e a natureza da relação é resultado de uma análise de custo-benefício.

Uma estratégia baseada em simbiose é adequada para situações que exigem a supressão das populações de insetos-praga por um período de dias a semanas, mas não sua morte imediata. Em muitos casos, a sustentabilidade das culturas deve envolver o desenvolvimento de estratégias alternativas de manejo de pragas.

Telefone de Ambulância Emergencial 

O serviço de ambulância está cada vez mais popular e necessário no Brasil. Entretanto, existe um tipo de condição que ainda não é totalmente cuidada no país: ambulância remoção

Precisando de Ambulância particular?

Precisando de ambulância particular BRASIL EMERGÊNCIAS MÉDICAS empresa especializada em remoções básica e avançada. Fale agora mesmo WhatsApp (41) 99909-2580 ou ligue (41) 3533-0358

Leia Também →  Grupo Eco Ambiental - Manutenção Predial - Controle de Pragas em geral -Desentupidora

Managed by Immediate JFusion